Nós também tivemos um SANTO !





SÃO MIGUEL "EX GOLEIRO DO JUVENTUS"


Ele teve menos Marketing, mas fêz mais MILAGRES que o santo do Palestra.

História - Miguel Lopes Ruiz Filho -
24.05.1948 - 28.05.2002 - Morreu com 54 anos

Em 1969, Miguel trabalhava numa indústria de papelão que fabricava caixas para embalar produtos de barbearia e cabeleireira. Nos fins de semana jogava no gol do Búfalo, uma equipe do bairro da Vila Prudente, em São Paulo. Certo dia o ponta-direita Antoninho Minhoca, que atuava no Juventus, pediu para o técnico Pinga ver o garoto jogar. Após uma partida Miguel foi convidado a treinar no Juventus.

Juventus 1971 - Brida, Miguel, Celso, Oscar, Osmar, Carlos, Elias Pássaro

(massagista), Luis Antonio (LA), Adnan, Sérgio Pinheiro, Brecha e Toninho Minhoca.

"Para atender ao convite tinha de faltar no serviço duas ve

zes por semana. O dono da empresa não deixou. "Mas o meu pai, Miguel Lopes Ruiz, apostou em mim. Disse que tinha seis meses para mostrar que poderia me tornar profissional. Em pouco tempo estava jogando nos juniores e logo no time titular do Juventus", comentou Miguel.
O primeiro jogo como profissional foi contra o Guarani. "O Doná era o titular, mas o técnico Nogueira apostou em mim depois de uma goleada de 5 a 2 que o Paulista deu no Juventus", recordou.




Alemanha Frankfurt - Juventus em excursão pela Europa - Miguel, Sergio Pinheiro, Ronaldo Pucci (Diretor) e Oscar Amaro



Miguel teve dois instantes delicados em sua carreira. "Numa partida contra o São Paulo, o atacante Téia cabeceou
para o chão e eu fiz uma defesa sensacional. Quando caí fiquei segurando a bola na direção do meu rosto. O Toninho Guerreiro veio na corrida e chutou a bola, que estava entre as minhas mãos, que bateu violentamente no meu rosto. Tive de sair de campo com enorme corte na pálpebra", explicou o ex-goleiro.


O outro momento difícil foi durante o jogo Juventus e Ferroviária, de Araraquara, lembra Miguel. "O jogador Zé Luís driblou os nossos zagueiros Carlos e o Oscar. Na sequência a bola espirrou e ganhou altura. Eu saltei para a defesa. Enquanto eu caía com a bola o lateral Celso subia para a jogada. Não deu outra. Bati com a testa no joelho dele. Tive fratura do frontal (testa) e duas paradas cardíacas. Só consegui ser reanimado depois de muita massagem no peito e injeção de coramina."

Depois de três meses Miguel estava de volta defendendo o Juventus. "No começo era engraçado porque quando corria parecia que a testa se mexia. Na cirurgia colocaram algumas presilhas para fixar o osso da testa", conta.
Miguel era o goleiro do Juventus quando o Moleque Travesso derrotou o Corinthians por 1 a 0, em 1971, no Pacaembu, protagonizando a maior zebra da Loteria Esportiva. Com esse resultado o apostador Eduardo Varela ganhou uma verdadeira fortuna. "O Varela ganhou uma nota preta e eu todos os prêmios de melhor em campo. No único gol do jogo o Toninho Minhoca driblou o Zé Maria e o Ado antes de marcar", recordou o lance.

A partír desse dia Miguel passou a ter o apelido " São Miguel"
O ex-goleiro Miguel que defendeu o juventus e Portuguesa nos anos 70, falecido em 28.05.2002, vítima de infarte.

Se atuasse hoje, Miguel não poderia usar uma grande arma: a cera...
Na época, a Fifa não limitava especificamente os segundos para reposição da bola. Aí, Miguel, além de goleiro milagroso, deitava e rolava na prática de recorrente e irritante cera.
Deixou saudades....... Fica uma sugestão do Blog MOLEQUE para que a Diretoria do JUVENTUS possa fazer uma homenagem ao nosso SANTO !

Comentários

  1. O maior goleiro da história do Juventus , homem de defesas impossíveis.
    Se jogasse hoje, estaria num grande da Série A.
    Foi melhor que Julio César ....outro grande goleiro.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Comentários ofensivos não serão publicados.